TOP Magazine

Profissão: Lucas Pupo

A arte do diretor de fotografia que transformou seu hobby em atividade profissional reconhecida internacionalmente

POR Roberto Marks 5 MIN

16 jul

5 Min

Profissão: Lucas Pupo

POR Roberto Marks

	

Fazer do hobby profissão é algo que poucos têm o privilégio. Transformá-la em atividade com reconhecimento internacional é mais difícil ainda. “Quando tinha 15 anos de idade, meu pai me convidou para fazermos um curso de mergulho. Me apaixonei pela ação que virou meu hobby. Depois, comecei a fotografar quando mergulhava”, detalha Lucas Gaspar Pupo, diretor de fotografia reconhecido como um dos mais talentosos especialistas em imagens subaquáticas do mundo.
Na adolescência, ele não imaginava que iria trabalhar com seus hobbies. “Me formei em comunicação social, na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), mas nem cheguei a exercer a profissão porque, na ocasião, já trabalhava em estúdio fotográfico e, nos momentos de folga, costumava ir mergulhar para fazer fotos e filmagens. Estas experiências eram elogiadas por amigos e colegas de trabalho, o que incentivou a me dedicar profissionalmente à fotografia subaquática.”

Há quase 15 anos envolvido nessa ocupação, Lucas já contabiliza mais de 100 produções, a maior parte em filmes publicitários. Numa das mais recentes, a atriz Marina Ruy Barbosa se transforma em “sereia” para encantar um incauto motorista e “capturar” seu Renault Captur. “Foi um projeto muito interessante, já que as imagens de ação foram feitas com uma nadadora e dublê americana, especialista em performances como sereia. Isso possibilitou cenas dinâmicas sensacionais.”
Outro trabalho de Lucas que obteve repercussão internacional foi uma festa debaixo d’água para um comercial de cerveja. “O filme de lançamento da Skol Sense exigiu complexa elaboração para viabilizar a solicitação do cliente. Precisei, inclusive, criar e construir luzes específicas para a festa subaquática, algo que não existia no mundo, o que chamou a atenção de vários especialistas do setor de iluminação e filmagem de Hollywood, que se mostraram bastante impressionados com os resultados que obtivemos.”
Foi esse trabalho, aliás, que abriu as portas para Lucas filmar no exterior. “A campanha teve reconhecimento mundial e, para minha surpresa, recebi convites de agências de propaganda da China e Malásia para fazer projetos com enfoque semelhante”, conta. “Somente na Malásia, eu e a equipe ficamos cerca de um mês para organizar tudo, planejar o roteiro e treinar o elenco de 20 atores que participaram da filmagem. O interessante é que o personagem principal do anúncio era o Neymar, mas as imagens dele foram filmadas em Paris, por outra equipe, e aplicadas na pós-produção.” Algo, aliás, bastante comum em filmes de publicidade. “Devido aos múltiplos compromissos, os famosos contratados para uma campanha muitas vezes nem comparecem no set de ação. Suas tomadas são feitas em estúdio, com fundo neutro azul ou verde, e depois aplicadas sobre o filme original pelo processo chroma key. No caso subaquático é mais difícil ainda, por questões que envolvem contratos de seguros milionários, pelo receio de que algum acidente possa atrapalhar as atividades principais de atores e esportistas”, relata.
Isso, é claro, não impede que Lucas trabalhe diretamente com atores e esportistas, e não somente em filmes publicitários. “Produzi a fotografia subaquática do filme Pequeno Segredo, do David Schürman, no qual a personagem interpretada pela Maria Flor tinha uma cena complexa na água. O problema é que ela teve pânico por ter de ficar muito tempo dentro d’água e precisei fazer um trabalho de treinamento não só psicológico, mas também técnico, desde noções básicas de mergulho, segurança, uso correto do equipamento e superação da fobia com exercícios baseados na minha experiência como mergulhador. Felizmente, tudo correu muito bem.”
O sucesso dos surfistas brasileiros nas competições internacionais fez com que Lucas também fosse contratado para produzir filmes de publicidade com base neste fenômeno. “É um novo desafio, mas com muitas limitações de tempo, condições do mar. A atividade do Gabriel Medina é frenética viajando pelo mundo para atuar em múltiplos torneios, o que torna complicado produzir as imagens, aqui no Brasil, nos raros momentos de folga dele. Achar o local ideal, com iluminação natural e ondas bem dimensionadas para permitir o bom posicionamento de câmera requer tempo e experiência. Além disso, recentemente, para completar detalhes no filme de comercial com o Medina, precisei encontrar um sósia, com o mesmo biotipo. O problema é que o cara nem sabia sentar na prancha.”
Lucas ainda realizou trabalhos para televisão como a série O Milagre de Jesus, da Rede Record, além de ter atuado na produção de fotografia em Vida Selvagem, documentário do mergulhador e repórter Lawrence Wahba. “Possibilitou unir trabalho com hobby”, destaca. Com atividade tão frenética, o entretenimento ficou em segundo plano. “Mergulhar e fotografar virou profissão, e sobra pouco tempo para o lazer”, conforma-se. Recentemente, porém, surgiu a oportunidade de voltar a curtir momentos lúdicos, debaixo d’água, levando os filhos – Luana, de 10 anos de idade, e Gabriel, de 8 –, para fazer a iniciação em mergulho. “Foi um fim de semana muito bacana em Ilhabela, em família, onde vivemos momentos maravilhosos”, relembra Lucas, um verdadeiro artista “subaquático”.

Fotos: Acervo pessoal / Divulgação

  • COMPARTILHE
VOLTAR AO TOPO