TOP Magazine

23 nov

Nada Easy

Tallis Gomes, criador dos aplicativos Singu e Easy Taxi, já entregou panfletos no farol e foi manobrista. Hoje ele está entre os 35 jovens mais inovadores do mundo, segundo o MIT

POR Marília Aguena 2 MIN

23 nov

2 Min

Nada Easy

POR Marília Aguena

	

Conversar com Tallis Gomes é como ter uma aula de empreendedorismo e motivação. A pouca idade – 30 anos – chama a atenção, bem como o vasto conhecimento nos negócios. O mineiro vascaíno com sotaque carioca atribui aos ensinamentos do avô, que tinha um pequeno comércio em Carangola, no interior de Minas Gerais, sua cidade natal, e “porque precisava ganhar dinheiro”, diz. Tallis é o criador do aplicativo Easy Taxi, que revolucionou a forma de contratação desse tipo de prestação de serviço. O app de transporte, seu empreendimento mais famoso, virou case em Harvard – Universidade norte-americana de maior prestígio no mundo – e rendeu diversos prêmios por ter sido o primeiro a criar essa linha de negócio. O empresário, aliás, é um dos poucos brasileiros a ter um prêmio do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) na prateleira. Ele iniciou cedo, trabalha desde os 14 anos, quando imprimia anúncios de celulares do site de vendas Mercado Livre e revendia para conhecidos com ganho de 25% em cima de cada aparelho.

“Tudo isso porque eu tinha uma banda de rock e precisava comprar uma bateria, minha família era muito pobre e não tinha condições”, conta. O tempo passou, e Tallis se mudou para o Rio de Janeiro, onde foi manobrista e entregador de panfletos no farol até começar a estudar publicidade, que teve de abandonar porque estava com uma agência de softwares engrenando. Nesse ínterim, colecionou alguns fracassos, mas atribui a boa colheita depois da tempestade a resiliência, curiosidade, boa comunicação e autenticidade. “Sempre dei exemplo, essa é a principal regra de liderança. A Easy Taxi gastava US$ 15 milhões por mês, muito desse custo era com viagens. Proibi os executivos de viajarem de primeira classe ou de comprarem passagens em cima da hora. Então eu só viajava de econômica e mostrava a passagem no nosso grupo de Whatsapp para dar exemplo. Isso ajuda muito as pessoas a te respeitarem”, explica. A ideia de criar o Easy Taxi veio de um dia de necessidade. Ele precisava pegar um táxi e ligou para uma cooperativa, ficou pendurado no telefone e foi mal atendido. Como todo bom empreendedor, viu ali uma chance de negócio. Claro que enfrentou muitas dificuldades no começo, principalmente a dúvida dos outros se era uma boa e o fato de muitos taxistas não terem um smartphone. Um tempo depois do sucesso do aplicativo de táxis, a empresa começou a ficar muito diluída e ele achou melhor vendê-la. Hoje toca a Singu, app para contratar profissionais de beleza através de aplicativo, e a eGenius, um fundo de investimentos para criar startups.

Quando sobra um tempinho, ele pratica jiu jitsu – “para exercitar o corpo e alma”, e pôquer – “para trabalhar a mente”. Também gosta de “carros legais”, como ele mesmo define sem citar preferência por marcas. Diferente de muitos jovens da sua idade, Tallis é low profile. Gosta de discrição e afirma gastar bastante apenas com vinhos. Gastronomia é outra paixão. “Viajo para comer, vou pra onde tem um restaurante legal”. Mas garante que nunca tirou férias na vida. Como sempre viaja a trabalho, dá uma esticadinha para conhecer o lugar. Já visitou mais de 50 países e morou em Bogotá, Cidade do México e Seul. Hoje, garante que não sai do Brasil por nada e só moraria em Nova York, “cidade que não para” assim como ele. Como bom ariano, Tallis é espontâneo, luta por seus ideais e sempre foi líder, desde criança. Quem o vê hoje, não desconfia de como sua vida não foi Nada Easy, o que aliás, é o título de seu livro, no qual conta como levou sua empresa a 35 países em quatro anos.

Tallis acredita no Brasil, principalmente na tecnologia nacional como salvação da economia. “Através do meu time, do meu conhecimento e do poder que tenho de movimentação econômica posso ajudar o nosso país a sair do buraco e mudar nossa realidade”, idealiza enquanto prega a filosofia de vida que constrói, mas poucos estão dispostos a enfrentar: dormir pouco e trabalhar muito.

  • COMPARTILHE
VOLTAR AO TOPO