TOP Magazine

01 mar

Isis Valverde

A atriz foi entrevistada pela amiga Mariana Ximenes e é a nossa capa do mês

POR Mariana Ximenes 3 MIN

01 mar

3 Min

Isis Valverde

POR Mariana Ximenes

	

Desafio e prazer. Foi o que me ocorreu quando recebi o convite para entrevistar Isis. Desafio: o que fazer, como fazer? Prazer: estar com uma amiga, pessoa tão talentosa, de brilho ímpar. Comecei a pesquisar e… surpresa! Dia de nascimento, o mesmo de meu pai.

Achei bonita a coincidência. Meu pai é um exemplo para mim, pessoa que amo e admiro. Entre um papo e outro, descubro que eu e Isis temos mais essa semelhança. Seu pai também é um modelo de inspiração e determinação: foi engraxate, dormiu no jornal aquecido a ferro, estudou, entrou na Universidade Federal de Juiz de Fora (MG), onde se formou. Isis fala do pai, seu olhar terno me comove. E me faz lembrar o meu.

Mais do que uma entrevista, quis presenteá-la. Falei com o meu pai, pedindo sua contribuição – e ela está aí, na página 45, com a caligrafia do nome de Isis, no traço que tanto me encanta desde menina. Isis nasceu para o que faz e, como ela mesma me contou, entendeu isso durante um exercício, num curso de teatro. Uma epifania, daquelas que raríssimas vezes temos ao longo da vida. E, em meio às lágrimas, percebeu sua vocação. Vocação – do latim “vocatio”, um chamamento.

Lembro de Ana do Véu, de Sinhá Moça (2006), seu primeiro trabalho. Seu rosto não aparecia em cena, mas seu carisma e seu olhar dominavam a tela da TV. Todos queriam saber quem era a atriz misteriosa por trás do véu. Ela se despiu dele e seu rosto foi, finalmente, revelado. O encanto cresceu. Impossível não ser hipnotizado por esses olhos pungentes, negros como seu cabelo esvoaçante. Isis já queria ser atriz, ainda criança. Não era sonho, era a certeza do talento. E conseguiu. É uma artista que vai além. Poeta. “Da casa ceifei as lembranças de um dia bem criança. Rasuradas ali jabuticabas, pinhão na panela, flores e rosas. Aquelas rosas que jamais esqueci. Camélias em mim.”

A atriz da capa da revista é uma mulher destemida, focada, com mais talentos que se possa imaginar, que se alimenta de sonhos. Para mim, é um prazer saber que artistas como Isis compartilham seu caminho com o meu. Espero que curtam esse papo com ela, que foi um encontro de atrizes, amigas.

E quero agradecer por compartilhar deste espaço de confiança comigo, minha querida.

Não sei se venci o desafio, mas o prazer foi imenso. Pouco tempo para a viagem em meio ao tanto de suas histórias. Que você brilhe muito mais com a sua arte. Um viva para nossos colegas artistas, para todas as mulheres que lutam por um mundo mais justo e belo, seja ele com suas interpretações, suas palavras, canções, ações. Viva!

Mariana Ximenes: Se você pudesse escolher uma canção ou refrão para definir Isis Valverde, qual música seria?

Isis Valverde: Beatriz, de Chico Buarque.  

Você faz poesias lindas e profundas. Qual te traduz nesse seu momento atual de vida? Uma que escrevi sobre viajar pelo mundo e juntamente deixar que a vida aconteça, trazendo os bons e maus encontros, pois eles também fazem parte! Resiliência para com a sua vida!

Temos mulheres que marcaram o cenário artístico/musical, tanto pelo seu talento quanto por sua postura. Quais são suas musas inspiradoras? Edith Piaf, Inezita Barroso, Meryl Streep, Fernanda Montenegro, Laura Alvim, Leila Diniz e Carmen Miranda.  

Qual personagem de livro gostaria de interpretar? Tem alguma que tem certeza que um dia ainda fará, nem que seja você produzindo? Tenho um sonho muito antigo de interpretar Julieta! Parece clichê, mas é meu maior desejo! Ou fazer uma personagem “on the road”. Também seria uma vontade realizada.

A busca pela felicidade é o que nos move, mas ser 100% feliz é utópico. Temos fragmentos de alegrias que vão nos conduzindo por uma boa vida. Qual foi o último momento que te deixou muito feliz? Pode nos contar? Sofri um acidente muito sério em 2014… Ao acordar recebi a notícia de que eu estava apta a andar de novo e VIVA! Acredito que aquela informação foi a mais incrível que já ganhei, e aquele, o momento mais feliz até hoje! Grata por Deus ter me protegido e me dado uma segunda chance!

Deu um susto na gente! Muitas pessoas dizem que esse tipo de experiência muda alguém. O que esse episódio transformou dentro de você? Muitas coisas que estão ainda se desenrolando a cada ano que passa.

Você nasceu numa cidade do interior de Minas Gerais. Sonhou com essa profissão. Qual foi a pessoa/famoso que conheceu e te tirou o chão? Eu sempre atuei mesmo sem saber que aquilo era uma profissão! (Risos.) Subi ao palco pela primeira vez aos 5 anos. E estava lá, desde a barriga de minha mãe, que é atriz! Ela deixou o teatro quando eu tinha 10 anos, e depois daquela separação, desejei voltar, mas não sabia bem como! Aos 17, eu voltei para o teatro e descobri o cinema e a TV. Pretendo nunca abandonar essa arte que me completa.

Veja a entrevista completa nas bancas.

  • COMPARTILHE
VOLTAR AO TOPO