TOP Magazine

Está no sangue!

Descendente de espanhóis e argentinos, Guto Quirós é um empreendedor de sucesso e chama a atenção com seus vídeos em que prepara churrascos no fogo de chão. Tudo em prol de um sonho: disseminar a cultura da carne de cordeiro no Brasil

POR Simone Blanes 5 MIN

15 ago

5 Min

Está no sangue!

POR Simone Blanes

	

Sabe aquela história de que o sangue fala mais alto? Pura verdade. Mesmo tendo gente que discorda, na prática, é algo que faz todo sentido, sobretudo quando se é genuinamente ligado às tradições familiares. Caso do empresário Guto Quirós, que não só herdou o gosto pela comida, em especial o churrasco, de suas origens espanholas e raízes argentinas, como transformou essa paixão no mote de sua vida: disseminar a cultura de consumo da carne de cordeiro no Brasil. Mas vamos ao começo. Há mais de 100 anos, o clã dos Quirós cria esses animais na cidade de Oviedo, no norte da Espanha. E bem próximo à capital das Astúrias, no município que leva o nome da família, é onde acontece o Festival da Carne de Cordeiro, anualmente, no primeiro domingo de julho. “Os criadores levam o seu melhor cordeiro para o topo da colina. Lá, são assados cerca de 120 animais, e o vencedor é anunciado ao som da gaita asturiana e dos bombos, espécie de tambor, que traz escrito o nome do primo do meu bisavô Manuel Quirós”, conta. Inspirado por todo esse contexto, além da própria vivência, desde a infância, em torno de uma parrilla – grelhas móveis usadas pelos argentinos para preparar carnes –, decidiu manter viva essa tradição de seus antepassados. Assim, trouxe para o Brasil não só o conhecimento na criação e produção desse tipo de carne como também, cada vez mais, a missão de instaurá-la como uma futura preferência nacional. “A culinária brasileira ainda não é vista como cultura, e sim como alimento. Diferentemente da Europa, por exemplo, em que as pessoas valorizam a comida, os pequenos produtores, a bebida e esse ritual de reunir a família”, diz ele, que em 2015 assumiu a operação da Quirós Gourmet, empresa criada pela irmã Priscila Quirós em 2009, voltada à criação de cordeiro de corte e azeite de oliva na Cabanha Oviedo, fazenda em Morungaba, no interior de São Paulo.
“Queria que fosse a maior empresa de carne de cordeiro da América Latina. Eu tinha esse perfil mais agressivo, mas a Priscila, que cuida de todo o branding e das redes sociais, trouxe esse conceito de butique e lifestyle ao nosso negócio. E estamos conseguindo”, orgulha-se o empreendedor, formado em administração de empresas pela Fundação Getulio Vargas e visivelmente superconectado à família. Tanto que, em qualquer assunto, não deixa de contar histórias como bom descendente latino que é. “Sabe que, quando entrei na faculdade, meu pai me disse: ‘No has echo mas do que tu obrigación’”, gargalha. “Precisa ver, nos jogos da Argentina, nós mateamos (tomam chimarrão) e comemos pasta flora, um doce argentino que minha mãe faz, com toda a família chorando com a tensão da partida, aquela coisa dramática. Já no jogo do Brasil, reunimos amigos para comer feijoada e tomar chope. A gente tem mesmo essa cultura da comida.” Além, é claro, das típicas características de espanhóis e argentinos tais como a intensidade e o famoso “drama” que Guto inevitavelmente também carrega. “Coisas que impactam a minha vida, como quando entrei na paranoia de ir além e querer entender o porquê de as pessoas não consumirem carne de cordeiro por aqui. Foi em 2015, quando comecei a vivenciar uma realidade paralela em busca disso.” Veio então o projeto Guto Quirós, uma produtora dedicada a palestras, cursos, workshops, eventos, fotos, vídeos, tours dentro da fazenda e tudo mais que possa colaborar para a propagação dessa cultura da carne de cordeiro, fora os trabalhos para incentivar o agronegócio no país. “Meu cartão é dividido no meio. Esse é meu objetivo de vida”, afirma Guto, que ainda preside o Lide Futuro Campinas para jovens empresários e comanda quatro programas semanais em seu canal do YouTube – Gutorial, Por Dentro da Cabanha Oviedo, Descobrindo a Carne de Cordeiro e Parrillando com Guto Quirós – que fazem o maior sucesso, principalmente as receitas no fogo de chão – modo de preparo da carne que vai além da refeição, e representa, sim, uma grande confraternização ao redor do fogo. “Em minha primeira tentativa para disseminar a cultura da carne de cordeiro, eu coloquei uma churrasqueira no meio da rua, em frente à casa de carne The Butcher, em Pinheiros. Começou a juntar gente querendo provar a carne e acabou virando um festival improvisado. Percebi que não comem porque nunca experimentaram. Aí entra a Guto Quirós e meu canal no YouTube. Minha ideia era deixar de impactar apenas as 70 pessoas presentes para impactar milhões”, explica. Atualmente, ele faz até casamentos: do evento ao fogo de chão. “Já estou treinando para fazer o meu”, diverte-se. Sorridente e dedicado, Guto não é muito de falar sobre coisas que não envolvam essa parte profissional, já que ele mesmo diz ser “99% trabalho”. Mas conta que luta boxe – momento em que consegue desligar totalmente – e assume ser boêmio. “Não de baladas, mas fico até o amanhecer bebendo com amigos e jogando conversa fora.” De preferência com um violão, instrumento que toca desde pequeno. “Já tive banda, e tenho músicas gravadas. Gosto de rock, mas não sei se conseguiria fazer um videoclipe com aquele olhar sexy, sabe?”, sorri. Não descarta, porém, essa possibilidade de produzir um vídeo tocando uma música própria… Ainda mais se isso o ajudar a disseminar seu sonho de ver a carne de cordeiro como cultura no país. Como diria o gênio espanhol Pablo Picasso, “o sentido da vida é encontrar o seu dom. E o propósito dela é compartilhá-lo”. Coisa que Guto faz muito bem, até porque tornou-se algo muito maior do que estar no sangue. No caso dele, vem da alma.

Fotos: Divulgação

 

  • COMPARTILHE
VOLTAR AO TOPO